Entenda a polêmica investigação do vaticano a uma seita católica brasileira.

A organização Arautos do Evangelho é um grupo subordinado ao Vaticano e surgido de uma dissidência da TFP (Sociedade Brasileira de Defesa da Tradição, Família e Propriedade) nos anos 90. Desde então várias polêmicas envolvem o grupo, não só por ser um grupo ultraconservador mas por já ter sido denunciados no livro “No País das Maravilhas – A Gnose Burlesca da TFP e dos Arautos do Evangelho” escrito pelo  Professor Orlando Fedeli, um dos principais líderes católicos do país, que condena heresias feitas pelo grupo.

Recentemente essa organização/seita se envolveu em mais polêmicas após alguns vídeos vazarem em que algumas práticas duvidosas são feitas. Esses documentos já estaria de posse do Vaticano e segundo o jornal italiano La Stampa.

Discutimos detalhes sobre a polêmica num hangout feito na última terça (22/06/2017) em que chamamos um ex-arauto e ouvinte nosso Lucas Pessota para conversar e saber mais sobre essa história toda. Confira:

Sobre Andrei Fernandes

Ver todos os posts

Designer, Ilustrador, aspirante a escritor, blogueiro e freak nas horas vagas!

10 Comentários

Participe da conversa →

[fbcomments]
  • Theobald von Arnim

    Hehehehe, que o rebosteio comece!

  • Daniel Cavassani

    Uma correção, o Pio XII não apoiou o nazismo de maneira nenhuma, ele adotou uma posição neutra politicamente, como basicamente todos os países da época. Lembrando que o Papa também é um chefe de estado. Essa atitude dele foi extremamente inteligente e pensada, na Holanda a posição da igreja contra o nazismo gerou represálias contra os cristãos e judeus locais, se o papa posicionasse toda a igreja contra o nazismo isso seria bem pior, chegando até haver pedidos de bispos poloneses para que o papa não publicasse cartas contra o regime para evitar mais perseguição.

    Mas isso não significa que ele e a igreja ficaram de braços cruzados, nas cartas pessoais de Pio nota-se como ele era contra o nazismo, chegando a comparar os nazistas com Lúcifer. E diversos discursos condenando a ideologia nazista, durante toda a guerra. De fato, a primeira encíclica de Pio, em 39, já condenava o nazismo e o racismo, chegando a ser espalhada em território alemão para alimentar o sentimento anti-nazista nos católicos alemães. Além disso Pio também foi denunciado como apoiador de judeus por Goebbels.

    A Igreja, com a ajuda de Pio, ajudou diversos judeus a fugirem dos territórios alemães, salvando a vida de centenas de milhares de pessoas. Existem relatos de diversos judeus relatando serem salvos pela Igreja, e algum desses judeus chegam até a contar que encontraram Pio enquanto estavam escondidos no Vaticano.

    Fora tudo isso, existem livros de autoridades de Israel relatando a importância de Pio na proteção dos judeus na Segunda Guerra, e o museu de Israel também não atribui culpa nenhuma a Pio.

    De resto, o video foi ótimo, e espero que o vaticano de um jeito nessa seita, deixar fanáticos livres e soltos sob a Igreja só difama a imagem dela.

    • Obrigado pela edição Daniel, não entendo nada de história, mas acho relevante levantar essa bola.

    • Paloma Delgado

      “ele adotou uma posição neutra politicamente” – Enquanto milhões de pessoas morrem, colocar-se como neutro, é apoiar diretamente. Claro que ele pode ter tentado fazer a diferença, e em muitos casos pode ter feito mesmo, mas não tomar uma posição É tomar uma posição.

      • Daniel Cavassani

        Paloma, o problema é que em politica as coisas não são tão simples assim. Ir contra o nazismo abertamente seria um tiro no pé, que só pioraria a situação para todos.
        O vaticano é um estado sem exércitos e com muito dinheiro, imagine se os nazistas invadissem e tomassem os patrimônios da Igreja? Seria um enorme aumento no financiamento do nazismo.
        Na Holanda, o arcebispo Johannes de Jong condenou o nazismo nas igrejas, e em retaliação foram presos mais de 40 mil pessoas, entre elas uma filosofa e freira da igreja, que posteriormente foi encaminhada para Auschwitz e morta lá. O nome dela é Edith Stein, caso queira saber.
        Agora, se uma declaração de um arcebispo, isoladamente fez tudo isso, imagina o que a declaração do papa não faria?
        Lembrando que a Igreja em uma posição neutra fez muito mais pelos judeus do que as potências anti-nazistas da época, que só se posicionavam contra por motivos políticos e esquivavam-se do problema judaico o máximo possível, lembrando deles apenas quando puderam usar eles como propaganda de de guerra.

    • Matheus Rehem

      E vale dizer que o antissemitismo era visto como algo bem comum na Europa(existindo certo repudio, mas mesmo assim), Hitler era apenas mais um, e o Hitler tentava buscar apoio da Igreja no inicio de sua campanha nazista

  • Ovo com Fundo Roxo

    Bem, conheço um pessoal que doa dinheiro para o Arautos. Inclusive na minha família. Eles mandam agendas, brindes, revistas, e o pessoal doa. Eu mesmo pensei que fosse uma simples editora. Que bizarro. Eles e a associação NSra de Fátima costumam ser bem comuns.

  • Dionisante

    Muito bom! Desconhecia essa polêmica que envolvia o grupo, e ainda mais as tantas outras coisas que permeiam a fundação, os dirigentes e as práticas. Tenho parentes que contribuem mensalmente, assim como amigos, que inclusive possuem filhos sendo doutrinados nos Arautos… O mais interessante foi o Lucas Pessota, ex-arauto, incitar a queima de igrejas… No mínimo deve tá só curtindo Black Metal da fase do Inner Circle Norueguês rsrs

  • Aqualad/Muleque-Piranha

    o que tiro do programa é que

    Se você tira a amígdalas o capeta pode vir atrás

    muito obrigado mundo freak.

  • Antônio Almeida