Artigo

[Recomendação] RPG – O Novo Mundo das Trevas

 

Arte da Capa do livro. Uma previa do visual do cenário.

 

Para quem já conhece RPG, sabe que o passatempo possui inúmeros cenários e contextos. Passando pelos mais conhecidos cenários medievais fantásticos, até o de ficção cientifica futurista. Os sistemas são infinitamente diversos, mudando muito de cada criador e até apresentado variações características de cada país. Nesta dica de leitura especial sobre RPG, falarei sobre os cenários O Mundo das Trevas, o novo cenário explorado pela editora Norte Americana, White Wolf.

A White Wolf ficou muito conhecida com seu cenário de vampiro que ganhou grande popularidade no inicio dos anos 90, onde conflitos de todos os sentidos aconteciam na sombra do mundo. Conflitos estes travados entre humanos, vampiros, lobisomens, magos e tudo o tipo de criaturas sobrenaturais que nós conhecemos na forma de lendas e mitologia. O cenário, em sua concepção original, foi criado para desenvolver intrigas políticas entre uma sociedade de vampiros, já estruturada e cheia de problemas, uma espécie de política romana, à grosso modo, onde as intrigas pelo poder eram a força motriz do cenário. Todas as outras criaturas sobrenaturais, principalmente lobisomens e magos eram pano de fundo, juntamente com os humanos e o jogador se passava em cenários “reais”, isto é, poderia abrir mapas verdadeiros e fazer este lugar como cenário do jogo, como se faz em qualquer filme. Com o tempo, e creio a pedido de muitas pessoas, as outras criaturas sobrenaturais ganharam identidade própria em livros próprios do cenário, e assim, o mundo se complementava, ou tentava se complementar já que não foi criado com este intuito originalmente.

Muito diferente dos mundos medievais fantásticos dos cenários de D&D, O Mundo das Trevas original se pauta no Terror pessoal, voltando para um cenário gótico, soturno onde a vida dos personagens estava em risco e isto cria toda uma tensão especial, com muito menos foco em conflitos físicos e mais intrigas, contudo, com o tempo o jogo foi voltando-se para algo bem diferente…

Com um sistema que simulava as capacidades humanas, somente as criaturas sobrenaturais, e raras exceções humanas, poderiam ter poderes sobre-humanos. A mecânica agradou muita gente, porém com o passar do tempo a meu ver – que joguei muito anos este sistema – a mecânica apresentava muita burocracia em suas resoluções de dados e isso deixava os combates, principalmente os combates, muito lentos e demorados. Tendo foco na história a ser contada, o cenário foi se desgastando com o tempo e depois de sofrer uma queda nas vendas de seus produtos veio uma reformulação completa. O antigo Mundo das Trevas chegou ao seu fim, o apocalipse chegou, o cenário teve seu encerramento oficial e veio o anuncio da criação de um novo cenário, com quase o mesmo nome.

 

Imagem do livro. Possível local de crime, e personagens jogadores investigando
um possivel caso que vai terminar em fatos obscuros.

Creio que os motivos desta reformulação foram muito diversos, desde atualizar o sistema para balancear as criaturas sobrenaturais e humanas – Que já se mostrava muito defasado e complicado – passando por uma “repaginação” de seus próprios jogadores. Ouve muitas criticas e resistência, até hoje existe umz resistência dos antigos jogadores, não me insiro nesta resistência ao novo cenário, criticas sobre a narrativa e as histórias, que realmente em muitos aspectos no antigo cenário eram mais ricas, deixaram a desejar em alguns pontos no novo cenário, contudo problemas de mecânica e do sistema foram praticamente sanados. Como um jogador experiente sei que a versão antiga do sistema carregava a burocracia que desanimava muitos novos jogadores e até incentivava a criação de “atalhos” no sistema por jogadores experientes para melhorar vários de seus aspectos de jogabilidade. Este novo sistema é muito autônomo, fácil de ensinar e fácil de se lidar. Se antes as histórias eram complexos emaranhados intermináveis de clans, tribos e famílias, agora foram enxugadas e a atenção voltou para um mundo “reduzido”, voltando a atenção para a micro histórias das cidades ou mesmo bairros.

Bom, agora que dei o apanhado geral do sistema antigo e do novo, volto ao assunto da dica de RPG, o livro básico O Mundo das Trevas.

O Primeiro livro, do novo sistema, lançado pela editora White Wolf fez uma coisa que não existia no antigo sistema, a unificação. Este livro é o básico, coisa já usada largamente pelo sistema D20 da editora Wizzard, e nele você encontra todas as regras para começar seu jogo, o livro é totalmente independente de quaisquer outro, e como eu já disse é o básico para iniciar sua campanha de RPG. Regras para criar personagens humanos, dando idéias de como inserir o sobrenatural na aventura, ou de como não inserir o sobrenatural (deixando bem a cargo do narrador da história como a história vai caminhar).

Lobos solitários não vivem muito tempo por aqui, cultive amizades.

Dados de 10 lados, os únicos que você irá precisar para jogar O Mundo das Trevas.

Para novos jogadores e principalmente para o narrador, é imprescindível uma bagagem cultural que lhe de subsídios e idéias para a criação das tramas e aventuras. Se você não é de ler muito, pode complicar um pouco o trabalho de ser narrador, se você já vem do antigo sistema e cenário vai se separar com muita coisa nova que precisa ser repassada. Se você é novo no RPG vai precisar conhecer bem para explicar para todos e até mesmo para ajustar as regras como melhor convier para seu grupo e sua crônica.

Posso lhes dizer que filmes e seriados podem lhe dar um bom suporte de forma rápida. Seriados que provavelmente você conhece como: Supernatural, Arquivo X e Fringe são bons exemplos do tipo de cenário a serem explorados pelo sistema. Mas tenho uma observação, tudo com sua devida calma e tempo, não coloque os personagens de frente com um demônio ou com mundos paralelos logo no inicio da crônica, o livro ajuda com muitas idéias de como implementar fatos ao jogo, auxiliando muito bem novos jogadores. Lembre, o cenário é voltado para o TERROR, um terror GÓTICO, onde seu PERSONAGEM pode morrer caso se descuide, e em muitos aspectos morrer seria o menor dos castigos se o narrador tiver uma imaginação fértil.

Indico para quem se interessou. Quando comecei a jogar, sendo já um jogador antigo, comprei o livro básico para conhecer e ver se o novo sistema me agradava. Um livro que não é caro, para o nível dos livros de RPG mais populares, custa R$ 49,00 e se mostrou um bom investimento pra mim e caso não me agradasse, eu teria investido pouco, coisa que não acontece com o sistema D&D, onde você precisa adquirir no mínimo 2 livros para iniciar uma aventura e entender o sistema, estes 2 livros do D&D não saem por menos de R$ 150,00 (eu jogo D&D também, antes que alguém achei que sou contra D&D 4º Ed).

Imagem do livro. Não importa se a arma é maior que você e nem sua idade, a vida é sua e se
você mesmo não tomar conta dela, não terá nenhuma.

Cemiterios e lugares misteriosos, são sempre bem vindos
em cenarios de Terror e O Mundo das Trevas em tudo haver com isto.

Sendo assim O Mundo das Trevas, me ofereceu um sistema de rápido entendimento e de aprendizado. A burocracia desapareceu, as rolagens de dados se resolvem com 1/3 do tempo comparando com a regra antiga, o cenário é menos arrogante e pretensioso, deixando claro que O Mundo das Trevas é um cenário “análogo” ao mundo real e não IGUAL ao mundo real. O antigo cenário dizia ser o mesmo mundo do real, só adicionando as criaturas sobrenaturais. Já no novo cenário é muito parecido, mas a luz é menos clara, a noite é mais escura e as sobrar mais densas…

Por isto eu recomendo este jogo. Se você não conhecer RPG passe a conhecer, se você se interessa por histórias de criaturas sobrenaturais compre e leia um pouco, mesmo não tenho muitos contos quem sabe você passe a se interessar. Para quem já conhece é uma ótima pedida e por um preço camarada.

Eu mesmo narro uma crônica de Vampiros na idade medieval, me apoiando nos livros das Crônicas de Artur, usando este sistema. Antes iniciei uma crônica de humanos na minha cidade, Belford Roxo RJ, depois de muitos jogos, passamos a jogar Lobisomem, explorando a mesma cidade e o cenário ganhou toda uma vida e até hoje, meus jogadores sempre comentam sobre. Enfim, jogar RPG é como estar em um ótimo filme onde você é o personagem, mas jogar no O Mundo das Trevas é se sentir vivo enquanto sobrevive a mais um dia do terror da sociedade.

Imagem do livro. Para se defender de humanos e não humanos,
saber lutar não atrapalha em nada.

Os combates estão muito bons de serem realizados. Uma parada de dados, com alguns bônus ou reduções, resolve o ataque. Praticidade e dinamismo são a constante. Complicações como negar coletes a prova de bala e outras proteções podem parecer estranhas ou sem motivo inicialmente, mas estão bem balanceadas no todo do sistema. A parte investigativa não foi deixada de lado, combinações de Atributos e habilidades estão mais enxutas e mais dinâmicas, uma folha ou outro de tradução pode ser achado, mas não chegam a ser 1 problema.

Para jogadores antigos, a questão da diferença da percepção atributos será bem interessante, para novos jogadores, não fará nenhuma diferença.

No livro básico, as aparições são exploradas como uma opção muito boa
de linha investigativa e ingressar os personagens no cenário
sobrenatural.

Qualquer duvida, deixa no comentário que será respondida o quanto antes.

Vocabulário resumido:

Cenário: é o mundo onde se passa o jogo.

Sistema: as regras usadas no jogo. Definindo tipo de dados e todo tipo de situação as convertendo para paradas de dados. O sistema também define o tipo de dados usados durante todo jogo, são raros os sistemas que dispensam os dados, eu já ouvi falar mas nunca vi.

Parada de dados: quantidade de dados usada para “revolver” os desafios do personagem. O numero dos dados usados, são retirados da ficha de cada personagem.

 

MUNDO FREAK NO APOIA.SE

Desvendando os Mistérios dos Sonhos | MFC 415