Mundo Freak Confidencial 178 – Seitas Bizarras 02

A continuação do nosso podcast sobre eventos realizados por seitas malucas e que geraram não apenas o caos, como a morte e destruição. Ordem do Templo Solar, Jim Jones em Jonestown e os Thugs aterrorizaram diversas partes do mundo com seus ideais distorcidos e corrompidos de bem, moral e justiça.

Nesse Mundo Freak Confidencial, acompanhe os investigadores Andrei Fernandes, Marcos Keller, Juliana Ponzilacqua e Lucas Balaminut desvendando os mistérios por trás desses cultos da destruição.

 

Comentado nos recados!

Comentado no podcast!

1111

assineCole esse linno seu agregador de feed ou no iTunes na opção “Assinar Podcast” na aba “Avançado“. Se seu iTunes for o mais atualizado apenas coloque “Assinar podcast” na primeira aba do menu. Ou assinar direto pela iTunes Store, clicando nesse link.

E-mail

Se quiser assinar nossos programas e receber mensagens quando um novo episódio é lançado, faça o seguinte:

  1.  Clique no botão abaixo!
  2. Uma nova janela irá se abrir, então clique em “Use Recipe”!
  3. Efetue o cadastro com o e-mail que use com frequência e ao final clique em “Create Account” 
  4. Clique novamente em “Use Recipe” e pronto!

IFTTT Recipe: Receba os episódios do Mundo Freak por e-mail! connects feed to email

msg

Entre em contato com a gente, deixe seu comentário, sua revolta ou sua solução! Mande e-mails com sugestões, críticas, elogios, spams para contato@mundofreak.com.br ou siga-nos Pelo Twitter e curta nossa página do facebook.

Sobre Andrei Fernandes

Ver todos os posts

Falando de podcast com muita ousadia, alegria e misantropia. Também autor do livro Kalciferum, chanceler supremo do Freakstão e morador de Setealém.

63 Comentários

Participe da conversa →

[fbcomments]
  • Espero que tenha polêmica e nomes ocultos :x

    • O que a galera quer ver hoje na TV, no YouTube, nas redes sociais, e até em podcast? Conteúdo? Nope. Treta. Todo mundo quer treta.

      Menos treta, galera.

      • Hahahaha, quero conteúdo com uma pitada de treta dependendo do tema. E rolou uma censura, então a tarefa foi completada kkkk

      • Sir Jones Kast, Ph.D.

        Prefiro “tetas”, mas tudo bem.
        Aqui, fico com os mistérios.

  • Ai que delicia

    • Sir Jones Kast, Ph.D.

      Olhaí

  • Estou a zero participações sem fazer referência à Evangelion.

  • Mariana Bueno

    “Parta do princípio que você é um bosta.”
    ¯_(ツ)_/¯

  • Peoples Temple é a pior das citadas, e acho que a que eu tinha mais conhecimento prévio e era bem pouco. Não fazia ideia do viés de ideologia política do culto. Foda que esses casos parecem que não fazem parte da história do nosso mundo, aqui no Brasil, eu só fui saber algo sobre quem foi Jim Jones por conta de letra música… É bizarro a aproximação que da pra fazer desse caso com uns cultos que rolam no Brasil.

    • Esses cultos, além de outros temas que tratamos no MFC, como MK Ultra, também não fazem parte da cultura americana. Pouca gente sabe. É bizarro.

    • Nilda Alcarinquë

      Creio que isso se deve ao passar do tempo.
      Eu tinha 10 anos na época do suicídio coletivo e lembro das notícias nos jornais. Acho que foi quando descobri a existência das Guianas.
      Creio que a maioria das pessoas na faixa de 50 anos, ou mais, lembra do nome Jim Jones.

      • Com certeza foi notícia por aqui na época, mas meus pais por exemplo não fazem ideia de quem é Jim Jones, e tipo, eu acho que a gente devia ouvir falar disso na escola, é um evento de grandes proporções da história do mundo.

  • Tunak tunak tun tunak tunak tun tunak tunak tun da da da!

  • Willian Cordeiro

    Sobre a deusa Kali, ela surgiu da ira da deusa Durga enquanto essa tentava matar o demônio Raktabīja, a cada gota de sangue do demônio surgia mais um, Kali cortou a cabeça de um por um e lambeu o sangue antes que caísse na terra. Outra lenda diz que Kali seria uma das manifestações de Parvati, esposa de Shiva.

  • Fenrir

    Eu recomendo muito a todos que ficaram curiosos com o tema, o documentário “Massacre Jonestown: Vida e Morte no Templo do Povo” Narrando de forma mais aprofundada a história do Peoples Temple. Ele segue uma narrativa parecida com a experiência de adentrar uma ceita, primeiramente mostrando as maravilhas de uma união tão forte entre as pessoas, contando com relatos de sobreviventes do suicidio em massa. E depois aprofundando mais no aspecto negativo e sinistro.

    É horrível assistir a tantas pessoas felizes, imaginando que todos eles irão se suicidar. Esse sábado faz 39 anos da tragédia. Por mais doloroso que seja pensar nisso, considero uma lição, podemos julgar facilmente quem toma uma decisão dessas, mas se colocar no lugar e entender a motivação por trás delas, é muito mais dificil e doloroso. Deixo aqui um relato de uma das sobreviventes.

    “Nunca acreditei no paraíso, não fui educada assim. Mas quando fui para guiana, quando via o sol nascer, pensei que pudesse haver um paraíso na terra. Agora já não consigo mas acreditar nisso”

  • Zlad Bigode de Neon

    Acho que faltou colocar algumas seitas que estão por ai hoje que estão arregimentando pobres almas por ai.

  • Nilda Alcarinquë

    Olás

    Sobre o personagem Tim Tones, do Chico Anísio: era uma crítica a muitos programas de tele pastores estadunidenses, que eram dublados e transmitidos nas TVs brasileiras. Isso lá pela metade da déc de 70 até a metade da déc de 80. A semelhança com o nome do Jim Jones ajudava a ressaltar a idéia de estrangeiro oportunista e mau intencionado.

    E só reforçando: religião e estado devem ficar bem separados.

    Abraços

    • Nilda Alcarinquë

      Fui atrás de um vídeo do Tim Tones, e a pregação e argumentos parecem ter sido copiados e levados muito a sério!
      Destaque para o títulos dos livros a serem publicados, bem no finalzinho

      https://www.youtube.com/watch?v=dEwT9qcDhIw

      • Elaine Truiz

        Aplicável até hoje a nossa história politico-religiosa, cada vez mais indistinta…

  • Dona Sancha

    Por falar em budismo e seita, podem me crucificar, mas soka gakkai é seita. Eles nao reconhecidos por nenhuma escola tradicinal budista e ainda fazem uma misselania bizarríssima de crenças.

    • Sir Jones Kast, Ph.D.

      “soka gakkai”
      Que nome engraçado, hauhaauhauah…parece com “soda cagai”.

    • Francisco Cabral de Medeiros

      concordo, tenho parentes que fazem parte ate hoje, eles fazem o daimoko –

      Nam-myoho-renge-kyo, para conseguir bens materiais, como comprar uma casa ou carro,quer uma coisa mais anti-budismo que isso? rsrs

      • Dona Sancha

        Faço parte de um grupo budista e ouvi muitas pessoas relatarem que quando tentaram sair da soka gakkai os membros insistiam para voltar, faziam pressão psicológica chamando para reuniões fazendo intervenções… Eles misturam muita coisa, desde teologia da prosperidade até juntar conceito de Deus judaico cristão com budismo (esse deus não existe e nem cabe no budismo). Sem contar que parece que eles estão ligados com partidos ultranacionalistas japoneses, e o fundador da seita foi acusado de abuso sexual. E para finalizar, por gentileza, não confundam a Nichiren Shu (que é uma escola séria e tradicional) com a soka gakkai que é uma seita fundamentalista que apenas se originou dessa escola.

  • Sir Jones Kast, Ph.D.

    Ô papai, que delícia!

  • Francisco Cabral de Medeiros

    sobre a Ordem do Templo Solar, os cataros também tinha essa coisa de suicídio sagrado

  • prodcastinando123

    Na relação primitiva entre grupo e líder geralmente vemos o lado do grupo, mas vejo muito também o drama do líder que seria apenas um coitado se não houvessem pessoas que acreditassem nele.

    Tom Zé tem uma música curiosa sobre esse ponto de vista do líder, intitulada “Todos Os Olhos”:

    “De vez em quando todos os olhos se voltam pra mim, de lá de dentro da escuridão, esperando e querendo que eu seja um herói. Mas eu sou inocente.
    Esperando e querendo que eu saiba. Mas eu não sei de nada.
    Esperando que eu seja um deus.
    Querendo apanhar, querendo que eu bata, querendo que eu seja um Deus.
    Mas eu não tenho chicote.
    Mas eu sou até fraco.”

  • Philippe Sartin

    Ah, é isso aí, episódio ótimo, provando que a bizarrice e o fanatismo não são o apanágio desta ou daquela visão de mundo.

  • Philippe Sartin

    Deixo aqui uma indicação: um dos meus animes favoritos, Ghost Hound (disponível na Netflix) – o qual, diga-se, tem tudo a ver com o MFC – trata, entre viagens astrais, ASC e análise psicológica, dos mecanismos de sujeição de que lança mão uma seita mais ou menos xintoísta no interior do Japão. Vale muito a pena (não confundir com Ghost Hunt).

  • Jyuu Calango

    Esse comentário tem apenas o objetivo de elogiar a abordagem de vcs sobre a seita do Jim Jones já tinha visto sobre essa seita num canal famoso do youtube, mas o antimarxismo do canal me incomodou.
    Vcs poderiam falar sobre seitas brasileiras que até político elegeram, mas acho que a treta ia ser grande.
    E Lucas, ainda bem que o comitê de ética te barrou. #medo

  • Robson

    Tem um filme baseado na história da Seita do Povo, O Ultimo Sacramento.

  • Ricardo Cidade
  • Fabi Marques

    E O GOLIMAR?

  • asd123

    cheguei aqui era tudo mato, agora rola até censurinha, parabéns

  • JeffArcana0

    alguém sabe o nome dessa música indiana do final? hahaha

  • Lucas

    Sugestão de documentário interessante sobre o tema: Holy Hell. Tem no Netflix.

  • Adriana Pau Canhoto

    Doidera, esse episódio me fez lembrar dessa seita bizarra canadense, a Comunidade dos Filhos do Formigueiro:
    http://mundotentacular.blogspot.com.br/2017/09/o-senhor-do-formigueiro-o-culto.html

  • Há Driano

    Baita episódio. Fui ouvir a fita de Jonestown e sem dúvida foi uma das piores coisas que eu já ouvi na vida (fora que ela tem umas distorções muito assustadoras e no final da pra ouvir um som bem diabólico).
    Além disso, o fato do Jim Jones ter morado no Brasil (BH e Rio) e tentado pregar sua ideologia nessas cidades me deixou ainda mais desgraçado da cabeça porque isso podia ter acontecido aqui!

  • Henrique Vieira

    Ao comentar sobre a seita de Jim Jones foi citada brevemente a Teologia da Libertação, por conta da aproximação do cristianismo com ideais de igualdade social (nem falo exatamente do socialismo). Não me pareceu a intenção de vocês, mas da forma que a Teologia da Libertação foi mencionada dá uma certa impressão que estavam colocando ela como seita parecida com o People´s Temple. Acho que teria sido importante frisar que a semelhança entre as duas para na relação com o socialismo. A Teologia da Libertação tem fortes bases acadêmicas, com teólogos e sacerdotes sérios em sua fundação e propagação, além de ter um papel importantissimo no combate à desigualdade social, com a igreja preenchendo as lacunas deixadas pelo estado nas periferias de todo o Brasil, principalmente durante a ditadura militar. Além disso ela nunca se colocou como religião à parte do catolicismo, sendo apenas uma abordagem particular da fé católica, como os opus dei, os carismáticos, conservadores e por ai vai.

    • A gente mencionou Teologia da Libertação?

      • Nilda Alcarinquë

        Sim. De forma rápida, mas mencionaram

      • Henrique Vieira

        Como eu disse no comentario foi bem breve. Foi por volta dos 48min e 50s

      • Marcos Keller

        acho que foi no contexto de “uma visão religiosa que tem pontos convergentes ou influências do Marxismo”, mas realmente falhamos em não diferenciar a TdL do templo do povo.

        Em momentos como esse que vivemos é um detalhe que faz falta, obrigado.

  • Rubens Alvs Costa

    O caso do Jim Jones foi responsavel até mesmo pela criação da uma gíria que é “drink the kool-aid” sinônimo para pessoas que estão se metendo e uma situação muito merda, ou como conotação negativa, como um “se mate”

    exemplos do uso:
    http://jonestown.sdsu.edu/images/jtr11/07-01-04-jj-koolaid.jpg
    http://jonestown.sdsu.edu/wp-content/uploads/2016/10/cartoon.jpg
    http://nbbcri.org/wp-content/uploads/2013/04/Koolaid.jpg

  • a_penalva

    sobre a comunidade judaica q foi mencionada no podcast, tem um documentário na netflix q mostra como é difícil a vida das pessoas tentam sair desse meio
    http://cultura.estadao.com.br/blogs/estado-da-arte/o-filme-one-of-us-e-a-maquina-de-fazer-judeus/
    se tiver uma continuação vale mto a pena da uma pesquisada sobre a hillsong
    https://www.facebook.com/HillsongChurchTruth/
    e recentemente teve o culto :
    http://veja.abril.com.br/entretenimento/atriz-de-smallville-e-apontada-como-lider-de-culto-sexual/

    vale a pena falar que a hillsong e NXIVM tem/teve a participação de mtos jovens por conta dos idolos participando delas , então… Galerinha se seu artista predileto ta querendo entrar em um religião e culto, o problema é dele, não vá seguindo da ideia de qq um não !

  • João Ricardo Mesquita

    Bateu uma bad…

    • Marcos Keller

      gravar ele da uma bad tbm

  • willia

    qual é o instagram a Ilustradora dos comentários?

  • Sir Jones Kast, Ph.D.

    Ouvindo o cast, é dito que algumas seitas praticamente obrigavam (que que por violência) a galera a aderir aos seus dogmas e tal, era como:

    – aSeita que dói menos!

  • Carol Lima

    Muito bom!! Top!

  • Gustavo

    Charles Manson morreu, poderiam fazer agora o podcast dele

  • Lorena Sevla

    Me deu maior bad, principalmente a de Jonestown. Conheço uma pá de gente que sonha em viver em uma comunidade que não difere muito daquela.
    Uma tragédia.

    Com a morte do Charles Manson, quando vai sair o Seitas Bizarras 3? Será que vai virar proibidão?

  • Parabéns a todos os envolvidos no Podcast!

    Foi meio tenso escutar, a parte do Jim Jones é terrível, ainda mais o quanto ele se aproveitou de contextos de sua época para fazer todo esse absurdo.

    Só queria comentar que ao orientar grupo de estudo de mediunidade, eu uso o caso destas seitas propositadamente para discutir essa problemática toda de um líder carismático e tal.

    Tudo de bom a todos!

    Tiago de Lima Castro

  • Uma seita que ainda vai dar ruim, e a essa altura ninguém vai acreditar, é a galera do INRI Cristo. Por enquanto ainda estão apenas surfando nas marolas memes, mas meu receio é de que com o tempo esse tipo de mídia se transforme em algum tipo de santo detrito digital, ao qual as pessoas logo irão começar a assimilar como único meio de mensagem, e nessa hora o clone tupiniquim de Rasputin irá engatar uma candidatura à presidência, evocando um efeito de urna similar aos conquistados por Tiririca e outros, mas a nível federal.
    Parece bobagem, mas memes estão tão em voga que até mesmo linhas de raciocínio são demonstradas através destas imagens. Ninguém mais perde tempo escrevendo, falando, dialogando dentro de um colóquio, parte-se logo para a resposta com memes, permitindo uma infinidade de interpretações. É como responder uma entrevista de emprego com cartas de tarot!

  • Darth Zveiter

    passando só pra lembrar que nazismo é de esquerda

    flw até+