MFC 173 – Aconteceu Comigo – Especial Ao vivaço

No último Freak Out fomos atacados por uma legião de zumbis! E aproveitamos o público cativo para gravar mais um episódio do nosso icônico programa que lemos os causos e histórias dos nossos ouvintes.

Nesse Mundo Freak Confidencial, acompanhe os investigadores Andrei FernandesMarcos Keller, Juliana Ponzilacqua e Ira Croft gravando o último aconteceu comigo antes do fim do mundo. 

Para enviar seu relato, mande para contato@mundofreak.com.br com o Assunto “Aconteceu Comigo – “TEMA”.

Atenção: Para quem baixa o download em .rar, estamos parando de disponibilizar por motivos de espaço no servidor. Pedimos a compreensão que já são mais de 200 episódios lá e que tá ficando caro. :(

1111

Comentado nos recados!

Comentado no podcast!

assineCole esse linno seu agregador de feed ou no iTunes na opção “Assinar Podcast” na aba “Avançado“. Se seu iTunes for o mais atualizado apenas coloque “Assinar podcast” na primeira aba do menu. Ou assinar direto pela iTunes Store, clicando nesse link.

E-mail

Se quiser assinar nossos programas e receber mensagens quando um novo episódio é lançado, faça o seguinte:

  1.  Clique no botão abaixo!
  2. Uma nova janela irá se abrir, então clique em “Use Recipe”!
  3. Efetue o cadastro com o e-mail que use com frequência e ao final clique em “Create Account” 
  4. Clique novamente em “Use Recipe” e pronto!

IFTTT Recipe: Receba os episódios do Mundo Freak por e-mail! connects feed to email

msg

Entre em contato com a gente, deixe seu comentário, sua revolta ou sua solução! Mande e-mails com sugestões, críticas, elogios, spams para contato@mundofreak.com.br ou siga-nos Pelo Twitter e curta nossa página do facebook.

Sobre Andrei Fernandes

Ver todos os posts

Falando de podcast com muita ousadia, alegria e misantropia. Também autor do livro Kalciferum, chanceler supremo do Freakstão e morador de Setealém.

56 Comentários

Participe da conversa →

[fbcomments]
  • João Guilherme Pianezzola de O

    AEEEE, tava esperando fazia tempo ein

  • Marcos Keller

    ÔOOOOEEEEEEE

  • Matheus Mendes

    Cadê o Lucas ??????

    • Sir Jones Kast, Ph.D.

      Atraix de voooxxxeam…ou não, heim?!

    • Me fundi à grande rede feito a Major Motoko.

      Zueira hahaha to trabalhando mto só.

  • Sir Jones Kast, Ph.D.

    Ô papai, que delícia.

  • Eduardo Leon

    Não sei não, em programas mais antigos (de até um ano atrás talvez) parece que vocês tratavam os causos com mais seriedade, até a leitura dos emails era mais imersiva. Sempre uma trilha envolvente e sinistra + narração impactante.

    Sei que estavam ao vivo, e a vibe é outra. Todo mundo gosta de se divertir, ainda mais quando mais pessoas estão em volta. Mas fica aí minha opinião quanto ao antes x agora dos programas, e não queria que esse podcast que gosto tanto se perdesse pra esse lado completamente cômico.

    Acho que aqui, a busca pelo terror e o sinistro é mais importante. Se liga Andrei!! Não percam esse tom!!

    Só minha opinião galera, não se irritem! Abraços!

    • Matheus Mendes

      Concordo! Na Net quase n se vê mais podcast de terror que aborde o tema com seriedade..

      • Henrique Tavares

        Recomendo ouvir os relatos que a Ana do Assombrados conta. Acho que ela até dá um pouco de corda demais haha

        • Eduardo Leon

          Então Henrique, eu senti um declínio lá no Mundo Assombrado quando começaram com relatos AO VIVO. Tudo virou ao vivo lá.

          É bem mais fácil pra eles, só que em questão de ser mais direto, organização de roteiro das historias e programas piorou bastante.

          Eu quase nem assisto mais lá.

          • Henrique Tavares

            Eu não curto muito os relatos ao vivo também, mas é mais uma questão de formato, e por ter que ficar adiantando as leituras do chat. Os relatos em si pra mim continuam ótimos, inclusive alguns dos melhores que ouvi foram desse período.

          • Rafa Santayana

            cara, acho vc critico demais, se tu tem tanta opinião assim faz o seu e boa sorte. abraço!

          • Eduardo Leon

            Eu? É só minha opinião né cara. Já elogiei diversas vezes, pq não posso criticar uma ou duas vezes?

            Já faço minhas coisas. Se alguém quiser critica-las de uma forma construtiva me convencendo com argumentos, sempre escuto com atenção. Não há demérito algum nisso.

            O próprio Lucas Bahamut entendeu meu ponto.

            Agora, se está ótimo pra você que bom! defenda seu ponto ou continue apenas escutando e elogiando.

            Abraço!

          • Rafa Santayana

            tu nunca concordou com alguem por educação? um abraço!

          • Eduardo Leon

            Já, mas não agora. Outro abraço!

    • Moah Oliveira

      Então,eu notei também que tava muito no lado cômico. Inclusive notei um certo deboche exagerado. Pela primeira vez não consegui ouvir até o final.

      • Andy

        Mais que concordo. Não consigo entrar na história que tá sendo contada, não tem imersão, não tem nada. Tem tom de deboche e piadas idiotas, que não tem graça alguma.

    • Cook

      Eu tenho esse sentimento mais causado pelos convidados mesmo, de uns tempos pra cá tem tido essa insistência em trazer a Ira e a Juliana religiosamente. Não que não sejam pessoas com opiniões validas e/ou sem preparação pro tema(apesar de que as vezes acontece), mas sim que não contribuem pra atmosfera conceitual que me faz gostar especialmente do mfc, que é não ter essa coisa ‘avacalhada’ como um certo podcast que eu não consigo ouvir pela forma que tratam o tema.

      Talvez só uma mudança de postura seja o suficiente, talvez uma rotatividade melhor de convidados relacionada com as pautas btw, não é o fim do mundo, mas é algo pra prestar atenção. cya nerds~

      • Moah Oliveira

        Então,meu problema maior foi o deboche exagerado da Ira. A Ju é tri respeitosa na hora de ler as histórias dos ouvintes. Mas quando a Ira leu a história da pessoa,o tom de deboche era tão implícito que me incomodou bastante. Não acredita,ok. Respeito isso. Mas não precisa ficar com esse tom de deboche. Acho que o ponto mais tenso foi na hora do ”cético,uiii,adoro”. Falta do ceticismo respeitoso do Igor. =/

        • Andy

          Exatamente.

          O problema não é com os convidados que estão sendo trazidos, mas como esses estão se portando diante do que tá acontecendo. Mesmo que tu não acredite, o mínimo que se espera é que haja respeito. E respeito foi a última coisa que eu consegui perceber nesse tom de voz desnecessariamente debochado.

          Não quer acreditar? Tudo bem, dá pra respeitar isso. Mas em vez de ficar fazendo piadinhas que não tem o menor sentido ou graça, que quebram todinho o clima que um bom conto assustador tem que ter, que tal usar argumentos mais sólidos pra provar teu ponto? Não é tão difícil assim, minha gente.

          É como se quisesse se aparecer. Socorro.

          • Ira Croft

            Andy, Moah e Cook sinto muito pelas ofensas, brincadeiras e por ter passado essa ideia de desrespeito, pois não foi minha intenção, realmente o podcast ao vivo teve outra vibe e tanto antes, quanto durante a gravação teve muitas brincadeiras com todos que estavam ali.

    • Valeu Eduardo! Acho que a galera tava empolgada por estar ao vivo e cheio de ouvintes em volta, aí é difícil segurar as piadinhas mesmo. O próximo que não for ao vivo vai ser mais sério, com certeza :)

      • Eduardo Leon

        Obrigado Lucas!!! Continuem o bom trabalho!

    • bpx

      Melhor aconteceu comigo ever!
      E pra não deixar passar a deixa: proteção em alemão seria “Schutz”, não? Schützung deve até existir, mas não acho que seja mto usado (nunca ouvi e nem li).

      • bpx

        Noh, mano, sou mto burro, postei como resposta sem querer. HA uAHu ahua hAU

    • UM episódio fora da curva, com motivos claros para ser assim(que vc mesmo identificou) e já vira reclamação, motivo pra ligar sinal de alerta… Credo!

  • Eta Carina

    Simplesmente amo os episódios “Aconteceu Comigo”! Alto grau de cagaço! Ouço sempre de madrugada e me arrependo, depois ouço de madrugada de novo e fico vendo coisas pela visão periférica.
    Tenho historinhas legais também, mas a fila de dois anos me desestimulou. Tendo essa espera diminuído um pouco, em breve mandarei meu relato.
    Ótimo cast como sempre!

  • Adriano Siqueira

    Olá! Tenho ouvido o podcast quase religiosamente como todo bom ateu satanista. Sou Adriano Siqueira, vivo em Portugal e encontrei o mundofreak por acaso, e achei esta ideia da gravação ao vivo e com relatos de ouvintes sensacional. Me fez relembrar da minha infância e todo tipo de coisa bizarra que vivi e relatava aos meus pais, com a inocência de não saber o que era. Ouvindo hoje o que dizem, algumas coisas “batem” muito com algumas “visões” dessa época. Bom, no mais, gosto do trabalho de vcs e se rolar algum freakout em Dezembro, estarei em SP e vou com certeza! Aquele* abraço.

  • =O ESPECIAL AO VIVO!

  • Mario

    No momento 1:14:00 houve um erro de edição onde a história de um ouvinte que estava presente no local foi cortada. Fora isso excelente podcast.

    • Thiago M. Cezimbra

      Ufa, achei que esse erro de edição era só comigo, por obra sei lá de quem, huahuahuahua.

  • O foda de morar no sul é não poder frequentar os Freak outs, mas ao menos eu posso dormir abraçado com meu Sulito.

  • Goruken

    Fiquei bolado com essa da goétia , descobri a pouco tempo e para minha sorte no final das ferias, minha cabeça não esta mais vazia. Sobre o relato do garoto que teve experiência mesmo sem estar ativamente buscando isso .

    tenho uma camiseta do Amon amarth que serta vez fui comprar CD nas banquinhas a muito tempo atrás, a dona da banca acredito ser evangélica fala com a outra dona “cada um escolhe o caminho que quer’ etc . me peguei pensando se rolou uma associação das senhoras , já que existe uma vertente evangélica que busca capeta em tudo. O curioso é que a senhora era a fornecedora piratera da molecada do metal kkkkk tinha desde decide , entrhoned e outras capirotagens do metal.

  • Rafa Santayana

    Gente, adoro ouvir vcs. Andrei ótimo host. descobri a pouco tempo o mundo freak e adoro a abordagem. to fazendo maratona MFC. kkk só pra deixar um elogio, vocês são foda! Ira, Rafael , Lucas, Ju, Tupá. Um abração vocês alegram minhas idas e voltas do trabalho, deixem de lado os comentários negativos, não tem nada que se desculpa! Cada um tem seu jeito de lidar com as situações e sua personalidade. desliguem de alguns que dizem fazer criticas e acabam esculhambando os convidados. conheci vocês através do papricast, sou de porto alegre e vcs hoje são meu podcast preferido! Novamente um abraço pra esse grupo maravilhoso. Recado dado. tchau! ;)

  • Esse dia foi muito legal.

    Bem legal reescutar essa gravação.

    Tudo de bom a todos!

  • Doctor Globo Whoral

    A área de comentários do MDM acabou, quero ver cenas desse próximo capítulo.

    • O fim de uma era

      • Doctor Globo Whoral

        Andrei, você está preparado para distribuir ban?

        • Eu estou sempre preparado e com o martelo na mão. <3

          • Doctor Globo Whoral

            Muito bom porque eu já vi gente migrando para sites próximos, terra zerro, podcrastinadores, argcast e tem muitos ouvintes de lá que também ouvem o mundofreak.

          • Imagino sim. Bem, sempre tivemos leitores do MDM por aqui e nenhum foi desrespeitoso ou babaca. Então sempre respeitei a presença. É só não ser tóxico que tá liberado.

          • Doctor Globo Whoral

            Eu também espero que o ranço não venha.

  • Douglas Rainho

    Olá @Andreizilla:disqus, referente a leitura de comentários do episódio anterior sobre Djinns, segue mais informações pautadas academicamente. Pode ser encontrado mais também na obra do Professor Doutor Diamantino Trindade Fernandes, na sua coletânea História da Umbanda.

    Significado do termo Mandinga

    Os Malês (Malís) também são conhecidos como Mandingas, que no Michaelis encerra o sentido:

    ETNOL Indivíduo dos mandingas, grupo étnico da África ocidental, presentes, principalmente, no Senegal, na Gâmbia e na Guiné-Bissau, descendentes do antigo Império Máli, predominantemente muçulmanos; mandê, mandeu.

    “No caso específico da Bahia, os amuletos eram geralmente feitos de folhas de papel contendo extratos de suras do Corão ou certas rezas consideradas fortes, escritas pelos alufás, a quem se atribuía a sabedoria e o prestígio necessários para fazê-lo. Seus poderes místicos, isto é, sua baraka¹, incorporava-se, então, aos objetos por eles produzidos. Podiam conter também, certos desenhos mágicos, figuras cabalísticas, letras e números isolados. Os papéis eram dobrados de maneira ritual, cheia de significados, e colocados dentro de pequenas bolsas, geralmente feitas de pano-da-costa ou de couro e penduradas no pescoço. Tais bolsas podiam conter, ainda, outros ingredientes, bastante habituais, como búzios, pequenas contas, terra, areia, grãos, ervas maceradas, algodão, mas sempre em complemento á palavra escrita. Em árabe, Querino² mostra porque os malês era temidos por seus feitiços e contra-feitiços:

    Para destruir qualquer malefício possuía o Malê pequeno patuá ou bolsa que trazia ao pescoço, contendo uma oração em poucas palavras, a qual era encimada por um polígono estrelado regular de cinco ângulos, vulgarmente conhecido por signo de Salomão. E, assim, diziam eles, ficavam imunes de toda a feitiçaria. O feitiço do Malê é inteiramente diverso dos demais africanos. Escreviam em tábua negra o que pretendiam contra a pessoa condenada, apagavam depois com água os sinais cabalísticos, e o líquido era atirados no caminho transitado pela vítima. ”
    (Cysneiros, Marcus Vinícius de Macedo; Em Tempo de Histórias – Publicação do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade de Brasília
    PPG-HIS, nº. 17, Brasília, ago/dez. 2010. ISSN 1517-1108; Pg. 3)

    Esse excerto pode ser encontrado na publicação abaixo:
    2 QUERINO, 1955, p. 101. Apud: LOPES, Nei. Bantos, malês e identidade negra. Rio de Janeiro: Forense
    Universitária, 1988, p. 54.

    Além dele temos na mesma publicação de Marcus Vinícius de Macedo Cysneiros, na página 39, a seguinte citação:

    “Este livrinho foi encontrado pendurado no pescoço de um dos Africanos mortos na insurreição que teve lugar na Cidade da Bahia, a 25 de Janeiro de 1835, e a mim presenteado pelo então Presidente da Província […] que me fez presente deste Potiguá ou Patuá, a que os ditos Africanos atribuíam o milagroso efeito de afugentar as balas, e preservá-los da morte.
    Foram achados muitos livros semelhantes, e maiores, assim como papéis avulsos, que atribuímos serem suas Proclamações. Eu presenciei […] a leitura destes hieróglifos que vi ler de direita para a esquerda por um dos pretos aprisionados. E por mais promessas e ameaças feitas ao mesmo preto jamais verteu o que lia em língua Portuguesa. ” 16 REIS, p. 200.

    2 REIS, João José. Rebelião escrava no Brasil: a história do levante dos malês em 1835. São Paulo: Cia. das Letras, 2003

    Fonte: http://periodicos.unb.br/index.php/emtempos/article/viewFile/2874/2481
    Apesar de ser um só texto, tem uma vasta bibliografia recomendada no paper.

  • Doctor Globo Whoral

    Andrei já pensou em fazer um podcast explicando a biologia dos “criptídeos”? Como por exemplo como poderia existir o Mapinguari, caboclo d’água ou um boitatá, isso citando exemplos brasileiros.

    • Não só já pensei, como tá na agenda.

      • Doctor Globo Whoral

        Se precisar de ajuda na pauta, estamos aí.

  • Doctor Globo Whoral

    Alguém sabe se a fada peluda, disse antes de sair? -Sua carne é friboi?

  • Lucas Moreira

    Poxa eu realmente gostei do cast e aguardo o próximo frek out

  • Hugo Carlos

    Salve salve freakeada! Eu gostei do formato ao vivo. Deviam fazer mais, inclusive de aconteceu comigo. Só peço encarecidamente UMA coisa. DEIXEM O RELATO SER LIDO INTEGRALMENTE ANTES DE COMEÇAR A SARRADA, PORRA! Não deu pra entender nem entrar no clima dos relatos. Eu sei que a vontade de ser o primeiro a emendar a piada é grande, mas ao menos durante o relato deixa fluir a leitura. E façam mais coisas ao vivo.

  • Waldir Rodrigues Junior

    A ideia do Marcos Keller de enviar um email caso a gente sinta que há alguma história que parece muito com alguma nossa foi no momento correto, durante toda a leitura da história do shadow people aos 27 minutos eu senti como se fosse uma história que eu contei, depois que o Keller deu a ideia de enviar o email eu precisei enviar, agora vocês já tem mais uma história quase na mesma ideia para começar a investigação e estou totalmente disponível para mais conversas.

    PS:. Não vou cobrar o Andrei pelo twitter para que ele leia a minha história :P