Ponto G 28 – Nadia Comaneci

 

Sua carreira começou muito cedo, aos 6 anos de idade. Aos 7, já participava de sua primeira competição. Todos os olhos de um país (e de um regime) tanto torciam, como apostavam as fichas na pequena Nadia. Aos 12 anos, foi a responsável por “quebrar” um placar numa competição internacional, já que eles não estavam preparados para mostrar uma nota 10.

A vida desta mulher não seria marcada apenas por sucessos, mas também por deserções de treinadores, fugas, e até críticas por não ostentar uma figura física “de atleta”. Apesar de ter enfrentado tantas situações difíceis, dentro da família e também perante ao país inteiro, Nadia nos ensina que a paixão pelo esporte pode fazer o ser humano suportar tragédias.

>>> Clique aqui e escute o programa anterior:  Ponto G 27 – Octavia Butler  <<<

 

#MULHERESPODCASTERS

Compartilhe este programa com a hashtag #mulherespodcasters e ajude a divulgar o trabalho feito por mulheres na mídia podcast.

Quer ouvir uma convidada especial, uma mulher podcaster, aqui no Ponto G? Indique para nós, juntos podemos divulgar mais e mais mulheres por essa rede. <3

Playlist

DigiAlessio – Ekiti Son
Burning Bright – Stardust
Salmo – Eclosion
Casetofoane – 90
LASERS – Amsterdam
Plumerai – Marco Polo

Créditos

Apresentação: Ira Croft, Juliana Ponzilacqua e Mirella Trevisan
Pesquisa e pauta: Mirella Trevisan
Edição: Kyuu
Direção de arte: Andrei Fernandes
Locução: Dani Freitas
Direção geral: Iracroft

Sobre Iracroft

Ver todos os posts

Nascida no planeta Blastófila Blasmóide, viajou pela Terra do Nunca para hoje escrever sobre seus sonhos.

2 Comentários

Participe da conversa →

[fbcomments]
  • Ricardo Sedano

    Admito que sou um ouvinte que ta devendo com o Ponto G, mas como amante dos esportes, essa não podia perder esse.
    Nadia é uma atleta simplesmente sensacional, sabia de alguns pontos da história dela mas outros não.
    Acho que o carcere dela, mesmo sem ser uma ativista política se deve ao fato de que as ações falam mais do que palavras. Se ela é usada como um ícone do governo para exaltar o moral romeno e essa pessoa abandona o país, isso seria extremamente ruim para o moral do governo.

    Muito bom o podcast e acho que seria muito interessante contar a história de mais atletas mulheres pois mesmo que a muitas das grandes atletas não sejam ícones políticos, muitas quebraram muitas barreiras…

    Deixo aqui uma sugestão de um programa sobre a Ronda Rousey – que é ex campeã do UFC, foi a principal responsável pelo crescimento do MMA Feminino (lutas em geral é um esporte bem machista), foi a principal representante do MMA no mercado mainstream e fez o presidente da maior organização mudar de opinião de “mulheres nunca pisarão no UFC” para serem a líder do maior ou segundo maior evente da organização.
    No lado pessoal, teve que vencer bullying – advinhem só – por causa de peso, o suicidio do pai, depressão e algumas outras barreiras.
    A biografia dela está disponível em português (inclusive devo começar a ler em breve) em muitos amigos já recomendaram.

    • Ira Croft

      Obrigada pelo excelente comentário, e sim temos várias mulheres em diferentes âmbitos para falar, principalmente no esporte. Aproveita e indica esse programa para outras pessoas que curtem esportes tbm. ;) bjos