Ponto G 15 – Maria da Penha

 

No mês do Dia Internacional das Mulheres, apresentamos um programa sobre uma mulher que, através da sua história de sofrimento e luta, tornou-se Lei para que outras mulheres tivessem respaldo legislativo em favor da sua sobrevivência e dignidade perante a sociedade que dá a palavra de confiança primeiramente aos homens.

Mais do que flores, chocolates e “cotas” femininas, é preciso entender porque a luta pela defesa da mulher é tão importante.

Maria da Penha Maia Fernandes, obrigadas.

diane

>>> Clique aqui e escute o programa anterior: Ponto G 14 – Diana Frances Spencer, a princesa do povo <<<

#Mulherespodcasters

E você, mulher que produz e participa de podcast, queremos divulgar você aqui em nosso programa e assim disseminar cada vez mais o talento feminino na mídia podcast. Entre em contato e saiba mais.

Neste programa você vai ouvir a conhecer a Priscilla Rubia, do Cabuloso Cast.

 

Playlist

Dexter Britain – Summers Coming
Chris Zabriskie – The temperature of the air on the bow of Kaleetan
Chris Zabriskie – Cylinder Eight
The Kyoto Connection – Hachiko
Kreng – Maia
Unheard Music Concepts – Soft Despair
_ghost – Lullaby

Créditos:

Apresentação: Ira Croft, Mirella Trevisan e Tupa Guerra
Pesquisa e pauta: Mirella Trevisan
Edição: Kyuu
Direção de arte: Andrei Fernandes
Locução: Dani Freitas
Direção Geral: Ira Croft

Sobre Iracroft

Ver todos os posts

Nascida no planeta Blastófila Blasmóide, viajou pela Terra do Nunca para hoje escrever sobre seus sonhos.

16 Comentários

Participe da conversa →

[fbcomments]
  • Tayna

    Gente, amei o podcast, não conhecia a história e fiquei bem revoltada. Por mais que hoje ainda aconteça muitos casos, inclusive vejo quase todo dia alguma reportagem de namorado matando por ciúmes, creio que as mulheres estão se impondo mais e sendo mais corajosas. Só falta ter mais apoio e proteção dos governos.

    • Ira Croft

      Sim, a gente só “conhece”a Lei e muito superficial, é preciso entender a gravidade do problema para se impor e resolver. :)

      Obrigada por ouvir a gente <3

    • Tupa Guerra

      Obrigada!!

      Aos pouquinhos estamos conquistando mais espaços, mas pena que ainda é tão aos pouquinhos :(

  • Leo B.

    O programa não só manteve a qualidade de sempre como também é de utilidade pública. É um assunto que considero que deveria ser de conhecimento de todo mundo.

    Trabalhei por uns três anos em Vara Criminal e vi muitos, mas muitos casos de violência doméstica, um mais chocante que o outro, só pra citar um exemplo, teve um cara que estava indo se apresentar em juízo por ter batido na ex-mulher e quando falei alguma coisa sobre o processo criminal ele larga a pérola “mas eu só bati nela, se eu soubesse que isso também é crime, teria matado que aí é crime de verdade de uma vez”, pra não citar situações piores.

    Mais uma vez, parabéns pelo excelente programa!

    • Ira Croft

      Obrigada pelo comentário, Leo, isso prova o quanto devemos discutir e esclarecer, porque, não só este exemplo como muitos outros (incluindo jovens, homens e mulheres), muita gente pensa assim ainda e quando tocamos no assunto acham que é mimimi.

    • Tupa Guerra

      Que barra né. Incrível como a violência doméstica ainda é super enraizado no comportamento de tanta gente. E pior, tá do nosso lado e nem sabemos…

  • Zuke Skywalker

    Ótimo e emocionante episódio. É interessante citar que a violência doméstica geralmente (mas nem sempre) se inicia de forma sutil, onde o agressor vai lentamente minando a auto-estima da outra parte, podendo passar para ofensas mais pesadas e, por fim, chegando a agressão física. A agressão atinge também outros membros da família, como os filhos, por exemplo, que sempre sofrerão juntos. Em todos os casos, o acompanhamento psicológico é importante para todas as partes envolvidas. No mais, lembre-se: se você é vítima de algum tipo de abuso psicológico e não pular fora, existe a possibilidade de que você venha a se tornar vítima de abuso físico. Se for o seu caso, busque ajuda. A violência doméstica pode atingir qualquer pessoa, indiferente de nível socioeconômico ou escolaridade.

    • Ira Croft

      Muito obrigada por esse excelente comentário, é isso mesmo. :)

  • Augusto Ganzert

    O melhor episódio feito até agora do Ponto G!

    • Ira Croft

      Nós agradecemos a audiência <3

  • Parabéns pelo episódio. Foi muito bom terem abordado tanto essa pessoa que tanto sofreu, mas que pelo menos tem inspirado ações de proteção a mulheres.

    Demorei a comentar pois quando escuto esse tipo de assunto fico pensando nas violências simbólicas às mulheres que devo cometer diariamente só por ter sido criado para ser homem.

    Além de lembrar de amigas que recentemente sofreram violência doméstica. Durante minha vida já vi bastante isso, mas no último ano tive contato com muitas amigas que passaram e tem passado por violência doméstica. É terrível vê-las sofrendo, tendo sua auto-estima destruída e ainda o entorno as fazendo sentirem-se culpadas por ter apanhado de seus parceiros. Acabei passando uma lista com telefones de atendimento psicológico gratuito e de Ongs que auxiliam mulheres que sofrem essa violência.

    Só estou citando isso para comentar a necessidade desse tipo de episódio. As mulheres não deveriam passar por esse risco. E nós homens precisamos escutá-las e mudar nossos conceitos, pois consciente coletivo ensina o homem a ser violento e abusivo, até na cultura pop quando por insistência o personagem principal consegue ficar com alguma mulher específica, só isso já é o começo desse pensamento.

    Desculpem falar disso.

    Tudo de bom a todos

    • Seria incrível se todas as pessoas parassem e refletissem como vc. Note que escrevi pessoas. Nós mulheres tbm tendemos a ser machistas muitas vezes tbm, pq fomos criadas nesse meio. Programas como o Ponto G ajudam todos nós a parar um pouco e pensar, ver o que estamos fazendo e mudar.

      • Ira Croft

        Sim, Pri, eu mesma já fui machista e com ideias e comportamentos tidos como “bons”, que eram nada mais que esconder a verdade atrás do falso conservadorismo. Hoje, vejo o quanto precisamos aprender mais e mais para crescermos. :)

        Obrigada por nos acompanhar <3

    • Ira Croft

      Obrigada por compartilhar sua reflexão, é assim que crescemos e evoluímos. <3

  • Tenho muitos amigos e amigas que vivem fazendo piada com essa lei. As pessoas não têm noção da violência doméstica, mesmo que ela ocorra embaixo do seu teto. Acham que é normal. Já estou espalhando o programa por aí. Excelente pauta, pessoal.

    • Ira Croft

      Nem mesmo as mulheres conhecem, precisamos muito nos informar mais.