Artigo

[Mistério] A bateria de Bagdá

Salve, salve, nobres leitores. Aqui quem vos fala é o investigador Paulo Henrique e dessa vez voltaremos um pouco no tempo. Sim, hoje falaremos um pouco dos povos oriundos da Península Arábica e mais precisamente de um povo descendente dos Persas, que datam por volta de 200 anos antes de Cristo, também vamos conversar um pouco sobre eletricidade. Pera, vocês devem estar se perguntando: “Não voltamos para a época antes de Cristo? Como podemos ter eletricidade?” E esta será nossa discussão de hoje, trataremos sobre um dos mistérios que mais intrigam a arqueologia moderna, falaremos sobre A bateria de Bagdá.

Nossa história começa na década de 1930, quando um arqueólogo alemão chamado Wilhelm Konig encontrou nas redondezas de um vilarejo próximo a Bagdá, Iraque, um pequeno vaso de argila medindo cerca de 30cm de altura e pesando cerca de 500g. Inicialmente, o vaso não chamou muita atenção, até que o pesquisador conseguiu identificar uma placa de metal no interior da pequena estrutura de cerâmica. Com muita curiosidade, Konin abriu o vaso e descobriu um filamento de cobre que terminava em uma pequena placa de metal. Testes mais apurados da composição química do objeto identificaram um pequeno caráter ácido, possivelmente vinho ou vinagre.

baghdad-battery1s

A sociedade acadêmica estava intrigada, seria possível povos pérsicos já terem conhecimento de eletricidade? Seria possível essa ser a primeira pilha já criada? Bom, para entendermos um pouco do porquê dela ser considerada uma pilha, precisarei da sua ajuda, pois recordar é viver. Vamos lembrar das nossas aulas de química do ensino médio, aquelas em que você nunca dormia, como todo bom aluno amante de química. Vamos tentar lembrar um pouco do inglês John Daniell que descobriu que em uma substância imersa em um liquido que conduza eletrólitos, duas placas (ânodo e cátodo) teriam a passagem de uma corrente elétrica. Não entrarei em mais detalhes, até mesmo por que não lembro com exatidão o processo, mas vou deixar uma imagem explicativa no post.

c591559ccb64401634ea9f4257cc83ed

 

Bom, até os dias atuais não se sabe ao certo qual seria o real propósito da existência dessas pilhas (ao todo foram encontradas 12), mas teorias apontam que elas eram usadas na medicina no tratamento de dores, com pequenos choques elétricos. Outras teorias dizem que eram colocadas dentro de estátuas, que ao serem tocadas liberavam pequenas cargas elétricas, ou ainda as más línguas dizem respeito à galvanização de estruturas metálicas, deixando joias e moedas mais bonitas.

Mas nem tudo são rosas, pessoas que dizem que o pesquisador alemão é uma fraude apontaram certos pontos peculiares que vão de encontro com tudo pesquisado. Primeiramente, os diários de escavação são muito rasos, fora das normas estabelecidas ou de algum método, o que demonstra certa confusão com a história contada e a escrita; segundo, o estilo de cerâmica seria representado mais tardiamente na cultura pérsica, cerca de 400 anos, o que deixaria as datas ainda mais confusas, podendo ser invenção do arqueólogo; terceiro, algo com tanta relevância não ter sido documentado historicamente é muito difícil, ainda mais levando em consideração que os árabes são povos pesquisadores e sempre anotavam com grande clareza e precisão suas pesquisas nas áreas de medicina, química e matemática.

Vou dar agora minha opinião, espero que entendam que ela é apenas minha e que pode muito bem, estar errada. Não acredito que tenham sido extraterrestres, acredito que o conhecimento humano é muito vasto e que a evolução como nós a conhecemos pode estar só um pouco atrasada. No quesito histórico, de documentação e tudo mais, aprendi por meio de leituras na faculdade que nem todo fato importante é documentado. Temos como exemplo a evolução agrícola, um dos fatos mais importantes (senão o mais importante) não está documentado de maneira tão clara e específica como se espera de algo tão grandioso (seria o momento a partir do qual o homem deixou de ser coletor e começou a plantar seu próprio alimento), então podem existir controvérsias quanto à documentação.

Vou ficando por aqui, espero que tenham gostado e que deixem nos comentários o que acham desse caso peculiar. Seria possível um ensinamento extraterrestre? Ou uma viagem no tempo de alguém com conhecimentos do futuro? Vamos discutir a visão de todos e lembrem-se: Não olhem para trás.

MUNDO FREAK NO APOIA.SE