[Resenha] Evangelho de Sangue – Clive Barker

Evangelho de Sangue é o retorno da literatura de Clive Barker ao sombrio universo dos cenobitas de Hellraiser, essa afirmação já basta para colocar o romance em qualquer lista de leitura onde o terror/horror seja apreciado.

Mestre inequívoco do gênero tão apreciado por nós, freaks, Clive Barker oferece contribuições inestimáveis para a arte do insólito na literatura, nas hqs, nos games, nas artes plásticas e no cinema. Nesse escopo o núcleo representado pelos cenobitas, liderados pelo icônico Pinhead, ocupa um lugar de prestigio no sombrio e sanguinolento universo do autor, que é compartilhado em praticamente todas as suas obras dentro e fora da literatura.

A preocupação de Barker com Hellraiser se estendeu inicialmente ao cinema, o livro nada mais era do que uma preparação de qualidade para o roteiro do excelente filme de 1990. Os desdobramentos da obra a levaram para continuidades extensas nas HQs, mas no que tange a literatura de Barker, os cenobitas amargaram apenas uma citação aqui e outra referência ali, até que, em 2015, o autor finalmente emplacou Evangelho de Sangue (The Scarlet Gospels no original) nas livrarias.

Na história, o detetive do sobrenatural Harry D´Amour (o mesmo cara de The Darkwatch, A Última Ilusão e outras obras de Barker) e sua amiga Norma Paine, uma mulher cega capaz de ver e conversar com fantasmas, são vítimas de uma conspiração arquitetada pelo Sacerdote do Inferno, uma entidade demoníaca mais conhecida pela alcunha de Pinhead, o mais cruel e destacado dos cenobitas- demônios invocados para o mundo real através da famosa Configuração do Lamento (aquela caixinha que é símbolo da franquia Hellraiser). Apesar dos esforços de Harry D´Amour, Pinhead acaba sequestrando Norma e a leva diretamente para o inferno, fazendo com que o detetive e um grupo de amigos adentrem o reino de Lúcifer para salvá-la.

a757255f-110e-499c-a879-dbbee824c8cb

Essa é uma sinopse bem genérica, todos os leitores de Clive Barker sabem que os livros do autor evoluem em camadas de conflito profundas demais para serem resumidas em apenas algumas linhas ou mesmo percebidas adequadamente em uma única leitura de suas obras, então, você pode esperar bem mais da leitura.

A trama é bem simples, daquelas que prendem o leitor apresentando visões absolutas de horror e conceitos de fantasia que suscitam a vontade de sempre conhecer mais do universo produzido em Evangelho de Sangue.

No prólogo, o autor já nos brinda com um vislumbre de sua concepção de literatura sobrenatural, regada de mortes em auto estilo, muito ocultismo e uma inequívoca certeza de que o sobrenatural é real e cruel. Portanto, não se trata de um livro sobre suspensão de descrença, pelo contrário, é uma história exclusiva para quem é capaz de admirar o sobrenatural e o insólito, sem exigir que esse faça sentido para além das regras impostas pela própria literatura de Barker. Isso reflete o tom visceral do escritor, ele não espera que seus leitores se familiarizem com o cotidiano banal dos personagens antes de enfiar correntes vindas do inferno em suas peles e cortá-los ao meio.

Em seguida, a história nos familiariza com Harry D´Amour e as fatalidades sobrenaturais que cercam sua vida e seu trabalho como detetive particular especializado no insólito. Tudo isso naquele clima típico de Hellblazer em que as cidades grandes estão tomadas por segredos sombrios do além túmulo e do ocultismo. Depois somos literalmente levado para o inferno, onde um horror de tons aventureiros e épicos se desenrolam em meio à paisagens de descrição sombria e embates entre grandes forças demoníacas.

Embora Harry D´Amour e seus amigos sejam personagens para lá de interessantes, o mérito maior da trama é ter nos presenteado com uma presença muito grande de Pinhead. Todos os fãs de Barker sempre quiseram acompanhar por mais tempo os cenobitas, mas esse anseio foi satisfeito apenas nas HQs, até Evangelho de Sangue nos brindar com capítulos inteiros protagonizados pelo Sacerdote do Inferno.

A edição brasileira de Evangelho de Sangue foi agraciada com os cuidados primorosos da sempre querida Darkside Books que, mais do que uma editora, tem sido um verdadeiro altar para os fãs de horror e fantasia. O terror de nossas carteiras e paixão de nossos desejos literários nos trouxe uma edição incrível, sério, você vai ficar um tempinho só admirando a capa. Edição incrível. Sua estante clama por esse livro, caro freak.

Resenhas à parte, você, fã do horror, precisa repensar seriamente se merece sua próxima noite de sono antes de ler esse livro. É obrigatório, é uma obra de arte do horror contemporâneo e é Clive Barker.

 

evangelho-de-sangue-darksidebooks-clive-barker-hellraiser-capa-3dTítulo: Evangelho de Sangue

Autor: Clive Barker

Editora: Darkside

Páginas: 320

Nota; 5/5

Sobre Arthur Morais

Ver todos os posts

Professor de História, é fissurado em RPG, HQs e Literatura. Mas é apaixonado por tudo que se relaciona ao gênero Terror. Atualmente, tenta tornar-se escritor.

2 Comentários

Participe da conversa →

[fbcomments]
  • AAAAH COMO EU QUERIA ESSE LIVRO D’:

    • Arthur Morais Coelho

      Vale a pena ter.