Artigo

[Recomendação] A sombra do Vento

Entro arrastando os pés em direção à minha mesa. Me largo pesadamente na cadeira. Começo do dia, a cadeira ainda parece confortável. Ligo o computador e, enquanto todos os programas abrem, eu entro em minhas redes sociais. Eis que uma notificação pipoca na tela: “Enrike Guzmán enviou uma solicitação de amizade”, diz a mensagem. Só consigo pensar: quem é este sujeito? De que buraco ele saiu? Será que ele ainda pode voltar para lá? Não temos nada em comum, nem amigos e nem a cor dos olhos. Não consigo imaginar como ele chegou até mim. Poxa cara, vai trabalhar na CIA, porque se você me achou sem nem termos o mesmo idioma, imagina o que você não faria por eles. Vou lançar a campanha #GuzmánNaCIA. Além disso, o que ele quer comigo? Ele achou que, sinceramente, eu o aceitaria e depois ele viria tomar um café em casa? E desenvolveríamos uma das amizades mais duradouras do mundo. Ou melhor, eu o aceitaria: na rede social e para a vida. Algum tempo depois estaríamos firmes, felizes e casados. Em Porto Rico. Enrike, quase-amigo, me ajuda a te ajudar. Preciso de mais conteúdo para ver se você pode fazer parte do meu seleto e restrito grupo social. Opa, outra notificação. Dessa vez uma mensagem direta. “Lo siento, hice clic mal” (Me desculpe, cliquei errado). Como assim, Enrike? Você acha que eu não seria uma amizade que vale a pena? Mas é um esquisito mesmo. Pois saiba que a internet serve para isso, viu: conectar pessoas diferentes. E eu tenho muito a oferecer. Sempre indico bons livros. Sabe Enrike, fiz um favor não aceitando a sua amizade, mesmo que ela tenha sido sem querer.

Em 1945 em Barcelona era bem diferente, e Daniel Sempere, que após a morte de sua mãe há seis anos, vive apenas na companhia de seu pai, mora em um apartamento que fica bem em cima da livraria da família, especializada em edições para colecionadores e livros antigos.

Sua vida pacata se transforma quando seu pai lhe acorda certa noite e lhe mostra um lugar que Daniel deve manter sempre em segredo: o Cemitério dos livros esquecidos – uma espécie de biblioteca onde se encontra livros que foram abandonados e esquecidos. Ninguém sabe quem o criou, quando começou e o porquê, mas segue a tradição de que toda vez que alguém visita aquele lugar pela primeira vez, deve escolher um livro e o adotar. Daniel, então, escolhe o livro que mudaria sua vida para sempre.

Deslumbrado com o livro e com o autor, ele resolve buscar mais de sua obra, e é ai que ele descobre que tem um exemplar raro em mãos, pois não existem mais livros de Julián Carax. Como isso aconteceu ele não sabe, mas alguém teve o cuidado de comprar todos exemplares e queimá-los. Como se não pudesse ficar mais sinistro, queimaram até a editora onde os livros eram publicados. Nessa busca cheia de suspense, Daniel vai se envolver no mundo do amor, sexo e da literatura. Uma história de mistérios e segredos de um passado que talvez não esteja tão longe assim.

Carlos Ruiz Zafón prende e arrebata em A Sombra do Vento. Eletrizante e intenso, nos leva por ruelas da Espanha franquista da primeira metade do século XX. Mais do que uma mistura de gêneros e estilos de outros autores aclamados, a trama bem conduzida é uma homenagem ao poder das palavras, da arte de contar histórias e da magia dos livros.

Informações técnicas

A Sombra do Vento – Carlos Ruiz Zafón
Editora Objetiva
399 páginas
Literatura Estrangeira.

MUNDO FREAK NO APOIA.SE