Zona Freak 55 – Sobre a morte (a.k.a Caveirão sinistro)

Fala freaks!

A morte é um desafio para a ciência. Mas para os Freaks, é apenas uma forma de enxergar a vida! Venha conosco viajar pela história da humanidade e as diversas formas que enxergamos o outro lado.

Os investigadores Andrei, Igor Alcantara, Gau Piccoli, Dmitri e Andressa discutem sobre as diversas faces da morte.

Comentado no Episódio

– Grupo do MFC no Facebook;
– Página do Google+;
– FREAK OUT SÃO PAULO! VENHA CONVERSAR COM A GENTE!
– HANGOUT GRAVAÇÃO DE UM MFC (CONFIRA COMO PARTICIPAR)

monstros

assineCole esse linno seu agregador de feed ou no iTunes na opção “Assinar Podcast” na aba “Avançado“. Se seu iTunes for o mais atualizado apenas coloque “Assinar podcast” na primeira aba do menu. Ou assinar direto pela iTunes Store, clicando nesse link.

E-mail

Se quiser assinar nossos programas e receber mensagens quando um novo episódio é lançado, faça o seguinte:

  1.  Clique no botão abaixo!
  2. Uma nova janela irá se abrir, então clique em “Use Recipe”!
  3. Efetue o cadastro com o e-mail que use com frequência e ao final clique em “Create Account” 
  4. Clique novamente em “Use Recipe” e pronto!

IFTTT Recipe: Receba os episódios do Mundo Freak por e-mail! connects feed to email

msg

Entre em contato com a gente, deixe seu comentário, sua revolta ou sua solução! Mande e-mails com sugestões, críticas, elogios, spams para contato@mundofreak.com.br ou siga-nos Pelo Twitter e curta nossa página do facebook.

Sobre Andrei Fernandes

Ver todos os posts

Falando de podcast com muita ousadia, alegria e misantropia. Também autor do livro Kalciferum, chanceler supremo do Freakstão e morador de Setealém.

15 Comentários

Participe da conversa →

[fbcomments]
  • Mark Costa

    Se desconsiderarmos por completo a existência de uma vida pós morte espiritual e considerarmos a posibilidade de que o universo é um ciclo constante de expansão e compressão, inevitavelmente teriamos a chance, mesmo que pequena, de no futuro termos nossos átomos aglomerados exatamente da mesma forma que somos hoje, logo, há a possibilidade da vida ser eterna.

    • João Lucas dos Santos

      “… teriamos a chance, mesmo que pequena, de no futuro termos nossos átomos aglomerados exatamente da mesma forma que somos hoje…”

      Pouco provável. Dada as variáveis que conhecemos hoje, como a entropia, por exemplo, é mais fácil existir vida pós a morte que todos os átomos e condições que nos formam agora se reagruparem de alguma forma.

      Att,

      • Mark Costa

        Se tivermos infinitas chances pra tentar isso, é possível, mesmo sendo pouco provável. Quem sabe já não tivemos exatamente esta mesma conversa aqui em um ciclo de existência do universo passado? A propósito, acho que jamais conseguiremos provar essa teoria.

        • João Lucas dos Santos

          Bem, se tiver uma infintas possibilidades, acredito que matematicamente quase tudo é possível.

  • Começando a ouvir agora, já volto, só vim perguntar uma coisa, 55? Será que eu não vi os outros 54 hehe

    • Estamos usando a numeração que antes era do Mundo Freak Podcast. Agora o MFP se chama Zona Freak.

  • Cara que episódio bacana, cheio de conteúdo legal sobre a morte, muito interessante mesmo!

    Eu só preciso fazer uma pequena intervenção para gerar uma polêmica, no início os participantes dizem que não acreditam em nada após a morte, que é teto preto pra sempre e acabou, nesse caso eu tenho dois argumentos para defender o contrário, não estou dizendo que existe céu ou inferno, que existe um outro mundo, uma continuação, só digo que existe alguma coisa após a nossa vida.

    1º Possessões: Se não existem espíritos, se quando morremos tudo se acaba, como que as pessoas são possuídas por espíritos ruins ou demônios, não acreditar numa continuação é não acreditar nisso também. Acho muito curioso os casos que as pessoas falam Latim ou outro idioma, sendo que nem nunca ouviram falar daquilo, é no mínimo interessante.

    2º Chico Xavier: Muitos dizem que ele seria mais um charlatão, que era uma mentira, mas eu acredito nas coisas que ele fazia, e fazia sem ganha um centavo por aquilo, sem cobrar, as pessoas doavam para ajuda-lo, não vou me estender muito aqui pois vale um programa só pra ele. Só concluo que, em muitos casos, ele escrevia com letras de pessoas que morreram e contava histórias que só aquelas pessoas sabiam, cartas endereçadas a pessoas que o próprio Chico Xavier nem conhecia. Como isso seria possível num cenário que as pessoas morrem e acabou?

    Só quis trazer esse dois exemplos e fazer o pessoal refletir, vejo que existe alguma coisa após a morte, não sei e não entendo o que é, aquele filme O Nosso Lar é muito fantasioso em relação a isso, achei exagerado demais, e não tem como se comprovar que aquilo é verdade, mas existem os médiuns como o Chico que trazem informações muito importantes do “Outro lado”, portanto vale a pena pensar sobre isso.

    Para finalizar, o programa ficou muito legal, o pessoal se esforçou para trazer bastante informação bacana, gostei mesmo como sempre.

    Valeu galera

    Abraço!

  • Ótimo episódio pessoal. Gostei que vocês analisaram diversas crenças sobre a morte, com respeito. Parabéns!

    Abraço
    EddieTheDrummer (PADD)

  • E aí Gau! Vamos liberar esse TCC pra todo mundo, vamos? ;)

  • Aconteceu um negócio interessante enquanto ouvia esse podcast. Uma coisa que pode ser qualquer coisa mas é sempre mais curioso quando acontece justamente quando se está ouvindo sobre isso.

    Eu viajo frequentemente entre Arcoverde e Recife, onde moro e trabalho, contudo são 4h de viagem pela BR e pra matar o tempo, escuto podcasts aí também. Costumo voltar na madrugada, saindo de 3h45 da madrugada pra chegar aqui em Recife e ir direto pro trabalho.

    Nessa madrugada estava ouvindo esse episódio sobre a morte (excelente por sinal) e quando terminou o programa, rolou uma música e aí começou um barulho tipo um bip na gravação. Fazia um xiado e seguia-se uns dois ou três bips. Como viajar de madrugada é cansativo, eu estava com os olhos cobertos e tentando dormir, escutando e pensando: “Porquê o Gau botou esse bip?” mas continuei ouvindo pra ver no que dava, afinal eu tava quase cochilando e assim que a reprodução acabasse o player iria parar.

    Mas o bip continuou. 2 minutos. 5 minutos. 10 minutos. Eu já de saco cheio porquê nem mudava nada a não ser uma leve demora às vezes entre os bips e o programa não acabava pra eu dormir logo, puxei o fone e fui dormir.

    Quando acordei e por fim cheguei em Recife pensei: “Agora vou ver quantos minutos o Andrei mandou deixar esse bendito bip no fim do programa!”. E eis: Não tinha bip com intervalos e xiados no programa. Nem nesse nem no episódio Casos Insólitos 3, que era o outro que eu tinha no telefone.

    Claro, o app pode ter travado ao ler as informações no cartão de memória e ficou se repetindo, por isso eu estava ficando puto de alguém dedicar mais de 10 minutos no programa sem acontecer nada! Mas é uma bela coincidência acontecer isso logo no Mundo Freak!

    Enfim, é isso! =)

  • raziel

    Onde encontro os outros episódios do Zona freak?

    • Oi Raziel. O Zona Freak é o Mundo Freak Podcast com outro nome apenas =) Só conferir os anteriores

      • Matheus

        Qual é o nome da primeira música?

  • Agatha Gonçalves

    Eu adoro tudo relacionado aos egípcios, acho tudo maravilhoso, até a morte. Acho muito interessante eles fazerem todo esse “ritual”, levar tudo o que tem no túmulo, é lindíssimo, loucura levar até a mulher é claro, mas não deixa de ser fascinante.
    Sobre a morte, acredito em reencarnação, acredito em pagar pelo que faz na terra… e é isso.

    Muito bom o cast, não tinha escutado ainda.

    Beijoos

  • Moura Zé

    Quase que não escuto o programa, pois pois não gosto de algumas temáticas “freak”, e a morte, apesar de ser uma temática universal, é sempre assustadora. Só cheguei aqui porque ouvi um outro podcast com Igor Alcântara e vi que ele tinha conteúdo, e baixei vários podcasts que tinham sua participação.
    Aliás, acho que a morte não é um “tabu” só para mim. Percebi que às vezes vocês tinham uma certa resistência, e começavam a falar de outras temáticas do mundo nerd, e na maioria das vezes era o Igor que puxava de volta para a pauta.
    No mais, o episódio foi muito bom, abordando a representação da morte em diversas culturas.

    Aproveito para indicar a série de quadrinhos Planetary, que em determinado momento aborda o pós-vida de uma forma que nunca tinha visto antes, e não me refiro à edição 3.