MK Ultra – O programa de manipulação de mentes

O programa MK-ULTRA, ou MKULTRA, foi o nome de código para um programa de controle da mente e interrogatório químico secreto da CIA, administrado pelo Serviço de Inteligência Científica. Este programa oficial do governo dos Estados Unidos começou em 1953 chefiado por Allen Dulles e pelo vice diretor Richard Helms.

Em andamento estavam 149 subprojetos em 80 universidades americanas e canadenses, centros médicos e três prisões, envolvendo 185 pesquisadores, 15 fundações e numerosas empresas farmacêuticas; Um subprojeto deles explorava a possibilidade de “ativar o organismo humano através de controle remoto”.

Porem, o mais importante de tudo isso, prevalecia o principal objetivo da lavagem cerebral de indivíduos para serem utilizados como informantes e espiões, mas sem saberem do que se passava, continuando pelo menos até o final da década de 1960, com ele pretendiam:

  • Aprender como condicionar pessoas a impedir que informações fossem extraídas delas por meios conhecidos;
  • Desenvolver métodos de interrogação para exercer controle;
  • Desenvolver técnicas de aperfeiçoamento da memória;
  • Estabelecer maneiras de prevenir o controle inimigo do pessoal da agência.

Para isso o programa usou os cidadãos dos Estados Unidos como cobaias. A evidência indica que o Projeto MK-ULTRA envolveu a utilização ilícita de muitos tipos de medicamentos incluindo de drogas e outras substâncias químicas, privação sensorial, bem como outros métodos, para manipular os estados mentais individuais e para alterar a função cerebral.

Uma das drogas usadas nesse “experimento” era o 3-quinoclidinilo benzilato ou BZ para simplificar, essa substância causa: Distúrbios no nível de consciência percepções equivocadas e dificuldade de interpretação (delírios, alucinações) Pobre julgamento e discernimento, curto período de atenção, distração, diminuição da memória (particularmente recente), Desorientação.

O LSD também foi utilizado por um tempo, mas como causava reações imprevisíveis, foi deixado de lado, outras substâncias utilizadas foram temazepam (usado sob o nome de código MKSEARCH), heroína, morfina, MDMA, mescalina, psilocibina, escopolamina, maconha, álcool, Pentotal sódico (Soro da verdade).

Em seguida se estudou a hipnose MK-Ultra e a meta para estes experimentos foi a criação de “ansiedade induzida hipnoticamente” e muitos outros. Muitos eram cobaias involuntárias, e aqueles que consentiam estavam mal informados dos perigos.

19630726_17748_02

James Stanley era um soldado de carreira quando lhe deram LSD em 1958 junto com 1.000 outros militares “voluntários”. Eles sofreram alucinações, perda de memória, incoerência, e severas mudanças de personalidade. Stanley exibiu uma violência incontrolável. Isso destruiu sua família, inibiu sua capacidade de trabalho, e ele nunca soube por que até que o exército pediu a ele para participar de um estudo de revisão.

Ele processou por danos sob a Lei Federal de Reclamação de Prejuízo (FTCA, em inglês), o caso dele chegou a Suprema Corte em Estados Unidos vs Stanley. Debatida e decidida em 1987, a Corte declarou improcedente sua reclamação (por 5 a 4), decidindo que seus danos ocorreram durante o serviço militar. Os juízes Thurgood Marshall, William Brennan e Sandra Day O’Conner escreveram opiniões divergentes, dizendo que o Código de Nuremberg se aplica a soldados bem como a civis. Em 1996 Stanley conseguiu $400.000 em compensação, mas nenhum pedido de desculpa do governo.

Talvez a vítima mais conhecida do MK-ULTRA seja Frank Olsen, um bioquímico trabalhando para a Divisão de Operações das Forças Especiais do exército em Forte Detrick, Maryland. Em 18 de novembro de 1953, administraram LSD a ele. Imediatamente se tornou agitado e completamente paranóico. Nove dias depois, ele supostamente cometeu suicídio pulando 13 andares para a morte através de uma janela fechada de um hotel de Nova York. Os membros da família dele não sabiam que ele foi drogado até que o MK-ULTRA foi exposto em 1975.

A tortura física utilizada nesse programa tem base nos Manuais KUBARK que é nome oficial dos chamados “Manuais de Tortura” usados pela CIA e pelas forças militares americanas, até hoje. A seguir está uma lista parcial das formas de tortura:

  • Confinamento em caixas, gaiolas, caixões, etc, ou enterro (muitas vezes com uma abertura ou tubo de ar de oxigênio);
  • Pendurado em posições dolorosas ou de cabeça para baixo;
  • Deixar a vítima com fome e sede por dias, ou semanas, ou meses;
  • A privação de sono;
  • Isolamento de percepção (faz com que a vítima não sinta os sentidos de: visão, audição, tato, paladar e olfato;
  • Membros superiores e inferiores puxados ou deslocados;
  • Aplicação de serpentes, aracnídeos, larvas, roedores (ex: ratos) e outros animais para provocar sentimentos de medo, nojo e repudia;
  • Experiências de quase-morte, comumente asfixia por sufocamento ou afogamento, com reanimação imediata;
  • Vítimas são forçadas a realizar ou testemunhar abusos, torturas e sacrifícios de pessoas e animais, geralmente com objetos afiados;
  • Participação forçada de escravidão humana;
  • Em casos, a vítima é abusada propositalmente para engravidar; o feto é, então, abortado para uso qualquer, às vezes o bebê é levado para o sacrifício ou escravidão.
  • A vítima recebe um tratamento que causa um efeito de abuso espiritual, que acaba causando efeito de a vítima se sentir possuída, perseguida e controlada internamente por “espíritos malignos” ou “demônios”;
  • Cirurgia a tortura, experimento, ou causar a percepção de bombas físicas ou espirituais ou implantes;
  • Ameaças de dano à família, amigos, entes queridos, animais, e outras vítimas, para forçar o cumprimento;
  • Uso de ilusão e realidade virtual para confundir e criar uma divulgação não-credível.

Nunca se saberá exatamente o alcance dos testes ilegais. Richard Helms, diretor da CIA e arquiteto-chefe do programa, ordenou de todos os arquivos do MK-ULTRA fossem destruídos, antes de deixar o seu cargo em 1973.

Apesar destas precauções, alguns destes documentos não foram destruídos e tornaram-se públicos no final da década de setenta. Os documentos colocavam em evidência o grande cinismo da agência de espionagem. Diante de uma possível investigação, a agencia apressou-se em tirar a importância de sucesso do MK-ULTRA, dizendo que não havia conseguido obter progresso reais.

images

Milles Copeland, um agente veterano da CIA, expressou suas duvidas sobre isso. Copeland revelou a um jornalista que, “o comitê do Congresso que investigou estes assuntos, só obteve uma idéia superficial do que realmente aconteceu”. Outra fonte do interior da comunidade de espiões diz que, depois de 1973, os esforços da CIA direcionaram-se cada vez mais para o campo da psico-eletrônica. Não podiam extrair mais nada da narco-hipnose.

O neuropsicólogo José Delgado pesquisava a estimulação eletrônica do cérebro. Implantando uma pequena sonda no cérebro, Delgado descobriu que podia exercer um enorme poder sobre o indivíduo. Utilizando um dispositivo que foi chamado de “estimulador cerebral”, que funcionava com ondas de rádio FM, podia comandar eletronicamente uma ampla gama de emoções, incluindo a ira, o palpite sexual e o cansaço.

O escândalo de Watergate, em 1972, iria começar a trazer maior impropriedade do governo para a atenção do público. Um artigo do New York Times em dezembro de 1974 alegaria a CIA havia realizado atividades domésticas ilegais em cidadãos americanos inocentes. Este artigo foi solicitado uma investigação do Congresso sobre as denúncias, e um comitê foi nomeado para dirigir a investigação. O senador Frank Church foi nomeado o presidente da comissão nomeada para ele.

Cerca de 20.000 documentos relativos ao Projeto MKULTRA sobreviveram à destruição proposital porque eram documentos financeiros e armazenados em outro lugar (e posteriormente foram ignorados, segundo a ordem de eliminação).images

Sendo de natureza financeira, os documentos revelariam pouco mais do que os jogadores envolvidos e quanto foi gasto. As descobertas reais durante a investigação viriam de entrevistas conduzidas pelo Comitê da Igreja sobre os envolvidos com o caso e quisessem falar. Em 1977, o Senado dos EUA divulgou um relatório sobre as conclusões do Projeto MKUltra. O senador Ted Kennedy revelou para os EUA a CIA havia sido realmente testando os cidadãos inconscientes, que os testes envolveram LSD, e não ter sido conhecida mortes das atividades. A CIA viria a admitir as provas fazia pouco sentido científico, já que, entre outras razões, os agentes que fazem o monitoramento do MKUltra não eram observadores científicos qualificados.

A CIA afirma que tais experiências foram abandonadas, mas Victor Marchetti, um veterano agente da CIA por 14 anos, tem atestado em várias entrevistas que a CIA jamais interrompeu suas pesquisas em controle da mente humana, tampouco o uso de drogas, mas realiza continuamente sofisticadas campanhas de desinformação sejam lançando ela mesma, através dos meios de comunicação, falsas teorias e teorias de conspiração que podem ser ridicularizadas e desacreditadas.

Victor Marchetti, em uma entrevista em 1977, especificamente afirmou que as declarações feitas de que a CIA teria abandonado as atividades ilegais do MKULTRA após os inquéritos, são em si mais uma maneira de encobrir os projetos secretos e clandestinos que a CIA continua a operar, sendo a próprias revelações do MK-ULTRA e subseqüentes declarações de abandono do projeto seriam em si mais um artifício para deslocar a atenção de outras atividades e operações clandestinas não reveladas pelos Comitês

mkultra-3

Um relatório de acompanhamento do US General Accounting Office em 1984 revelaria que entre 1940 e 1974, a CIA expôs milhares de cobaias humanas a substâncias perigosas. Claro, sem documentos do programa restantes e poucas testemunhas dispostas a falar, Nunca vamos saber o número exato de vítimas.

5 Comentários

Participe da conversa →

[fbcomments]
  • Farao

    Estou falando que a CIA é perigosa.

  • Muito bom texto. Esse Manual de Tortura serviu como base para um treinamento que militares brasileiros passaram nos EUA durante o nosso Regime Militar. Eles então repassavam aos seus colegas essas técnicas aqui que eram aplicadas em presos políticos.

    Aliás, mudando de assunto, o presidente Lindon Johnson foi o maior patrocinador do Golpe de 64, mandando tropas e navios para a costa brasileira às vésperas do golpe. Se desse errado, os americanos iriam invadir.

  • Priscila Souza

    Sim, o golpe só foi pra frente pq sabiam que qq coisa que desse errado os americanos, muito bonzinhos iam tomar partido… E alguem duvidava disso, em 1965 o país de Jânio Quadros, que adorava o Che Guevara, ou de João Goulart, que foi ate pra China, mandou soldados brasileiros para apoiar os fuzileiros navais dos Estados Unidos que invadiram a República Dominicana. Do ponto de vista de washington, apoiar o golpe valeu muito a pena…

  • Luiz

    O Brasil deve encontrar o seu próprio caminho, valorizando o patriotismo e expurgando “ajudas”, sejam elas da CIA ou dos Castristas Bolivarianos.

  • Power Otaku-Kun

    Caraca! Até arrepiei. Que coisa tenebrosa o_Ox