Artigo

[Lens of Truth] O oito de Uncharted 3

Pessoas, diversas, avulsas, comedores de cheetos, como vão? Eu quero fazer as pazes com os gamers. Não quero ser uma pessoa chata com vocês. Opa, um segundo. Começou a sair Reviews do Uncharted 3

Estou aqui para falar de um assunto mamilático de polêmico. Numa segunda-feira, 24 de Outubro, a digníssima Eurogamer lança o primeiro Review de Uncharted pelas mãos de Simon Parkin. Esse post caiu como uma luva para linkar com o anterior.

Uncharted 3 ganha nota 8/10

Só tenho uma coisa a fazer:

Brilliant!


Bem, conversei com o senhor Eurogamer, amigo de velhos tempos, e ele me respondeu o e-mail contando como tudo se sucedeu, está aí pessoal, exclusividade:

O senhor Eurogamer, sentado em sua cadeira de couro vermelha, descança após tomar um poderoso sunday de morango e apreciar um pouco de MeiaLuaX nos recantos obscuros de sua sala.

Toc Toc

– Entre.
Entra um jovem rapaz. Simon se aproxima da mesa do Sr. Eurogamer, que nesse momento acaricia seu proeminente bigode.
– Terminei a Análise de Uncharted 3, e como o senhor pediu, é o primeiro a vê-la.
O Sr. Euro arregala os olhos, lê o artigo completo uma, duas, três vezes para ter certeza. Ele para de acariciar seu bigode, se ergue da cadeira e olha diretamente para Simon.
– Você está ciente do que as consequências de seus atos irão fazer, Simon?
– Sei senhor.


– Bem, meu jovem, espero que você esteja preparado para elas.
– Gostou da minha análise senhor?
– Gostar, ou desgostar, não cabe a mim decidir para este caso. Execute, Simon.
Simon se despede de seu chefe, da meia volta e vai em direção a porta para deixar a sala.
– Simon! – O Sr. Eurogamer fala abruptamente.
– Sim… – Simon fala com tom de preocupação e susto.
– Bom trabalho.
– Obrigado Senhor.

Como falei no artigo anterior, a massa gamer (não me façam ter que explicar novamente isso) em suma maioria não tem capacidade de julgar coisa alguma, de ter qualquer tipo de comprometimento com a industria, e está mais preocupado no próximo jogo que irão degustar. Os mimadinhos de vossas mães estão em suas bolhas de segurança, em posição fetal, esperando o lançamento de Uncharted 3, e se deparam com a nota da Eurogamer. Claro, só podia dar polêmica.

Você aí que “xingou muito no twitter”, primeiro de tudo, espero que todos aqueles que falaram algo tenham lido o dito Review, se não qualquer argumento, e comentário, será desvalorizado totalmente. O problema da crítica é que você precisa julgar o subjetivo. Não apenas de técnica se faz um jogo. Precisamos analisar além de diversão, conceitos tanto relacionados a época, quanto da industria hoje, e do que o jogo quer te passar, e oferecer como melhor experiência de mídia.  Esse é um dos motivos que não se deve analisar seriamente jogos antigos de maneira efetiva.

Segundo o argumento do Review, Simon enfatiza bem o quanto o jogo é cinematográfico, e como a Naughty Dogs é brilhante quanto a isso. No entanto, Uncharted 3 não te dá liberdade alguma de escolha. Cada parte do Game é um ponto de gatilho para um próximo evento, o jogo inteiro. Se você não deveria pisar naquele lugar, é morte.

Como por exemplo, resolver um hieróglifo qualquer, ao invés de deixar com o jogador, Drake faz tudo sozinho. Você se torna um mordomo, um expectador. Outro exemplo, em uma sala que precisa de 2 pessoas para resolver o puzzle, o ajudante só aparece quando você vai no gatilho certo, e aparece a cutscene para que enfim, o ajudante apareça. A todo momento você deve se mover como no script do jogo, é frustrante segundo ele. Sempre deixando claro que é inigualável o que Uncharted faz com toda esse primor cinematográfico.

Simon Parkin é um dos mais articulados, e inteligente, reviwers que temos hoje em dia, mas tudo se resume a uma nota. Aposto que 90% nem se deu ao trabalho de ler o que ele escreveu. Que com certeza, os “garotos de bolhas” tivessem a chance de entender o ponto de vista, e se realmente ele estava tão errado, e era tão “hater” assim. Infelizmente, os sonystas tem mais medo de que isso vire argumento para um “caixista”, do que se vale realmente a pena analisar um jogo da maneira como deveriam. Segundo a concepção doentia, e incoerente das cabeças desses pobres garotos, todo o jogo muito esperado é motivo para um 10. O resto é resto.

Então é isso pessoal, todo esse burburinho atoa. Triste.

Você é o que você joga.

Para ilustrar. Alguns comentários de anônimos:

“sobre o jogo, nunca quis tanto ter um ps3… e falar que esse jogo é horrível é provar realmente que é fanboy. não gostar do gênero do jogo tudo bem, mas mesmo que tenha alguém que não goste, deve realmente falar a verdade que esse é um [email protected] jogo”


“Independente de quer coisa Eurogamer PT não deve servir como referencia a NADA.
É de LONGE o pior site/revista de games de todos od tempos.
Se alguém tem esse site como base pra algo,está terrivelmente equivocado.”


“Pimenta nos olhos dos outros é refresco. Se fosse num game dele, ele seria o primeiro a dar petit.”

“Impossível! Se o jogo não for nota 10 eu não vou comprar!

Ele tem que ser nota 10!

Detalhe que até quem deu 10 apontou falhas no jogo.. não faz sentido..”


“Não se pode mais criticar jogos. Qualquer tipo de critica é automaticamente encarada como uma forma de “hater”. Qualquer avaliação que fuja o minimo possível do que se é esperado, é “hater”. Qualquer jogo tem que ser automaticamente nota 9 ou é um lixo, mas se ele não for nota 9, é porque a revista/site está sendo hater. “


“No 10? Pre order canceled! “


“Tem gente aqui que precisa de um abraço, isso sim”


MUNDO FREAK NO APOIA.SE